Consumidores jovens são mais conscientes quanto à propriedade dos dados pessoais

A Cisco, renomada empresa de tecnologia, divulgou recentemente seu Relatório de Privacidade do Consumidor 2023. A pesquisa revelou dados interessantes sobre o comportamento dos consumidores em relação à privacidade digital e ao uso da inteligência artificial (IA).

De acordo com o relatório, 42% dos entrevistados entre 18 e 24 anos exercem seu direito de solicitar acesso a seus dados pessoais, enquanto apenas 6% dos consumidores com mais de 75 anos fazem o mesmo. Isso indica que os mais jovens estão mais engajados na proteção de sua privacidade online.

Os resultados também mostram que muitos consumidores perderam a confiança nas organizações devido ao uso da inteligência artificial. Além disso, metade dos entrevistados manifestaram o desejo de que o governo estabeleça normas e implemente proteções de privacidade.

Falando sobre a IA, descobriu-se que 48% dos entrevistados concordam que ela pode ser útil para melhorar suas vidas. Porém, enquanto a maioria está disposta a compartilhar dados pessoais anonimamente para o avanço dessa tecnologia, 62% expressaram preocupação com o uso atual desses dados pelas empresas. Isso indica uma falta de confiança no tratamento adequado dessas informações.

Em relação à IA generativa, uma forma específica dessa tecnologia, a pesquisa revelou uma falta geral de conhecimento. Mais da metade dos entrevistados afirmaram não ter conhecimento sobre o assunto. Dos que afirmaram usar regularmente essa tecnologia, apenas metade evita inserir informações pessoais ou confidenciais nos aplicativos utilizados. Essa descoberta levanta preocupações sobre a possível exposição de dados sigilosos.

A pesquisa também destacou que os consumidores mais jovens estão mais dispostos a tomar medidas para proteger sua privacidade. No Brasil, por exemplo, 42% dos entrevistados são considerados “Ativos em Privacidade”, ou seja, se preocupam com a privacidade e tomaram medidas para protegê-la.

Embora esteja claro que a conscientização sobre leis de privacidade ainda seja baixa, aqueles que conhecem essas leis se sentem mais capacitados para proteger seus dados pessoais. A pesquisa revelou um aumento no número de consumidores solicitando a exclusão ou modificação de seus dados. Esse aumento está diretamente ligado à idade, sendo que os mais jovens são os que mais fazem essas solicitações.

Por fim, o relatório destaca que muitos consumidores acreditam que o governo deve desempenhar um papel importante na proteção dos dados pessoais. Metade dos entrevistados manifestou essa opinião, enquanto apenas 21% discordaram dessa ideia.

Em suma, o Relatório de Privacidade do Consumidor 2023 traz insights valiosos sobre as preocupações relacionadas à privacidade digital e ao uso da inteligência artificial. Os resultados indicam uma necessidade urgente de melhorias na forma como as organizações lidam com os dados dos consumidores e uma maior conscientização pública sobre as leis de privacidade existentes. Isso abrirá caminho para um ambiente online mais seguro e confiável para todos os usuários.

DestaqueFato
Idade42% dos entrevistados entre 18 e 24 anos solicitam acesso a seus dados pessoais, em comparação com apenas 6% dos consumidores com mais de 75 anos.
ConfiançaMuitos consumidores perderam a confiança nas organizações devido ao uso da inteligência artificial.
Normas de privacidadeMetade dos entrevistados deseja que o governo estabeleça normas e implemente proteções de privacidade.
Uso da IA48% dos entrevistados concordam que a inteligência artificial pode ser útil para melhorar suas vidas, mas 62% estão preocupados com o uso atual de seus dados pelas empresas.
IA generativaMais da metade dos entrevistados não possui conhecimento sobre a IA generativa e apenas metade evita inserir informações pessoais ou confidenciais nos aplicativos utilizados.
Proteção da privacidade42% dos entrevistados no Brasil são considerados “Ativos em Privacidade” e tomaram medidas para proteger sua privacidade.
Conscientização sobre leis de privacidadeAqueles que conhecem as leis de privacidade se sentem mais capacitados para proteger seus dados pessoais.
Papel do governoMetade dos entrevistados acredita que o governo deve desempenhar um papel importante na proteção dos dados pessoais.

Com informações do site TI INSIDE Online.

Categorizado em: