Equador enfrenta o avanço do narcotráfico e a crise econômica

O Equador, considerado antes um refúgio pacífico na América do Sul, agora enfrenta a preocupante situação do narcotráfico que assola seus países vizinhos, Colômbia e Peru. Isso se deve ao avanço de importantes conglomerados criminosos, em particular o Cartel de Sinaloa mexicano e o Cartel Jalisco Nova Geração, que expandiram suas operações no país.

O Cartel de Sinaloa, originário da cidade de Culiacán e famoso por suas atividades ilegais, controla uma grande parte das operações não apenas no México, mas também no Equador e na Colômbia. A partir dessa expansão, surgiu o violento grupo “Los Choneros”, responsável por uma série de crimes. Além disso, o Cartel Jalisco Nova Geração, fundado por um ex-membro do Cartel de Sinaloa, formou o grupo “Los Lobos”, que se tornou conhecido após um ataque em Villavicencio.

A crise econômica que assolou o Equador desde 2017 teve um impacto significativo no país. A queda nas vendas de petróleo afetou seriamente a economia equatoriana e resultou em políticas de contenção implementadas pelo governo para enfrentar a crise. Essas medidas resultaram em protestos sociais que se intensificaram durante a pandemia. Como resultado dessas condições adversas, redes criminosas organizadas tiveram maior facilidade em recrutar jovens.

Tanto o ex-presidente Lenín Moreno quanto o atual presidente Guillermo Lasso intensificaram a repressão ao narcotráfico e ao crime organizado. Essa abordagem resultou no aumento da população carcerária e na formação de novas facções criminosas dentro das prisões. A crise econômica e social vivida pelo país tem um impacto direto no crescimento do narcotráfico e na dinâmica criminal.

A localização geográfica do Equador é um fator-chave para o aumento do narcotráfico. Suas fronteiras com Colômbia e Peru, dois grandes produtores de cocaína, combinadas com uma vasta costa que se estende por mais de 2.000 km e conectada ao Oceano Pacífico, tornam o país uma base ideal para atividades ilegais. Além disso, a proximidade com países compradores de drogas, como os Estados Unidos, facilita o transporte ilícito.

A presença dos cartéis mexicanos também tem implicações no mercado europeu. O Equador possui conexões com criminosos de diversos países, incluindo Itália e Rússia. Esse envolvimento resultou em um aumento alarmante da violência no país, com taxas de homicídios quase triplicando nos últimos cinco anos.

Em resumo, o avanço dos cartéis mexicanos no Equador está levando a um aumento significativo do narcotráfico. A crise econômica e social enfrentada pelo país criou condições favoráveis para o recrutamento de jovens por redes criminosas organizadas. Além disso, a localização estratégica do Equador o torna um terreno fértil para as atividades ilegais desses conglomerados criminosos. O resultado desse cenário é o aumento da violência e do crime no país. É crucial que medidas sejam tomadas para combater essas organizações e mitigar os efeitos negativos que elas têm sobre a sociedade equatoriana.

Resumo da Notícia
Cartéis mexicanos expandem operações no Equador, aumentando o narcotráfico
Cartel de Sinaloa e Cartel Jalisco Nova Geração são os principais envolvidos
Crise econômica e social facilita recrutamento de jovens por redes criminosas
Presença dos cartéis mexicanos gera aumento da violência e do crime
Localização geográfica do Equador favorece atividades ilegais
Medidas devem ser tomadas para combater essas organizações

Com informações do site El Universo.

Categorizado em: