Renomado músico brasileiro confessa ter sido abordado para realizar ataque terrorista

O renomado músico brasileiro, Michael Messias, de 43 anos, do Rio de Janeiro, recentemente prestou um depoimento chocante à Polícia Federal (PF). Durante o interrogatório, ele admitiu ter sido abordado para realizar um ataque terrorista em solo brasileiro. A oferta teria sido feita por ninguém menos que Mohamad Khir Abdulmajid, o principal suspeito de envolvimento com as atividades do grupo terrorista Hezbollah no Brasil.

Messias afirmou aos investigadores que recebeu uma proposta tentadora durante uma viagem ao Líbano. Em troca de mais de R$100.000, ele teria sido solicitado a assassinar pessoas. Inicialmente, o músico havia dado uma versão diferente dos fatos, alegando que sua visita a Beirute – capital libanesa – teve como objetivo tocar música pagode. Porém, em um novo depoimento concedido em 22 de novembro, Messias confessou ter se encontrado com Abdulmajid ao chegar em Beirute e ter usufruído das comodidades de um luxuoso hotel à beira-mar – todas as despesas pagas pelo recrutador.

Durante essa estadia aparentemente extravagante, Abdulmajid questionou repetidamente Messias sobre seu possível envolvimento com facções criminosas no Brasil e se ele já havia cometido assassinatos ou estaria disposto a fazê-lo “por muito dinheiro”. Embora tenha negado essas acusações incriminatórias, Messias alegou que Abdulmajid estava procurando recomendações de membros de facções criminosas ou policiais corruptos que aceitariam ser “assassinos de aluguel”.

Além disso, Messias relatou que, após falar sobre as dificuldades financeiras de sua família, Abdulmajid depositou R$500 na conta bancária de sua esposa e lhe entregou uma “fortuna” para que eles pudessem passear pelo Líbano. Três dias depois, um homem não identificado, acompanhado por um segurança armado, visitou o músico em seu hotel e entregou-lhe uma segunda “fortuna”. Esse indivíduo supostamente insistiu na possibilidade de cometer assassinatos no Brasil.

No entanto, durante sua prisão subsequentemente à delação, Messias alegou não ter conhecimento de nenhum grupo terrorista e negou ter recebido tais propostas. O músico estava sendo investigado pela PF por suspeitas de recrutar brasileiros para participar de atos extremistas direcionados a sinagogas e centros judaicos específicos no país. No mês passado, foram cumpridos 12 mandados de busca e apreensão, resultando em três prisões em diferentes estados brasileiros.

A PF informa que os possíveis recrutadores estão sendo investigados pelos crimes de constituição ou pertencimento a organização terrorista e realização de atividades preparatórias relacionadas ao terrorismo. Esses crimes têm pena máxima estabelecida em 15 anos e seis meses de prisão.

O caso do músico Michael Messias é apenas mais um exemplo alarmante das complexidades da segurança nacional no Brasil. A investigação continua em andamento para determinar a extensão do envolvimento do Hezbollah no país e impedir qualquer plano malicioso que coloque vidas inocentes em risco. Fica evidente que as autoridades precisam permanecer vigilantes para garantir a segurança da população e combater efetivamente ameaças terroristas dentro das fronteiras brasileiras.

Resumo da Notícia
O músico brasileiro Michael Messias admitiu ter sido abordado para realizar um ataque terrorista em solo brasileiro.
A oferta teria sido feita por Mohamad Khir Abdulmajid, suspeito de envolvimento com o grupo terrorista Hezbollah no Brasil.
Messias recebeu uma proposta tentadora durante uma viagem ao Líbano, onde Abdulmajid ofereceu mais de R$100.000 para assassinar pessoas.
Messias confessou ter se encontrado com Abdulmajid e ter usufruído das comodidades de um luxuoso hotel à beira-mar, todas as despesas pagas pelo recrutador.
Abdulmajid estava procurando recomendações de membros de facções criminosas ou policiais corruptos que aceitariam ser “assassinos de aluguel”.
Após falar sobre suas dificuldades financeiras, Abdulmajid depositou R$500 na conta bancária da esposa de Messias e lhe entregou uma “fortuna” para passear pelo Líbano.
Messias negou ter conhecimento de qualquer grupo terrorista e negou ter recebido tais propostas durante sua prisão.
Messias estava sendo investigado pela PF por suspeitas de recrutar brasileiros para participar de atos extremistas direcionados a sinagogas e centros judaicos.
12 mandados de busca e apreensão foram cumpridos, resultando em três prisões em diferentes estados brasileiros.
Os possíveis recrutadores estão sendo investigados pelos crimes de constituição ou pertencimento a organização terrorista e realização de atividades preparatórias relacionadas ao terrorismo.
A investigação continua em andamento para determinar a extensão do envolvimento do Hezbollah no país e garantir a segurança da população.

Com informações do site Hezbollah: em depoimento prestado à PF, famoso músico admitiu ter sido sondado para realizar um atentado no Brasil.

Categorizado em: