Todas as gentes: programa Gente em Primeiro Lugar é referência de inclusão

A iniciativa Primeiro as Pessoas em Juiz de Fora é um programa que tem como objetivo principal democratizar o acesso à cultura na cidade. O programa está sediado no Centro Cultural Dnar Rocha e opera em outras 37 localidades pela cidade. Através da oferta de uma variedade de cursos, a iniciativa busca promover a inclusão e fornecer oportunidades para novos talentos que são descobertos diariamente.

Os cursos oferecidos pelo programa abrangem diferentes áreas, tais como graffiti, moda, artesanato, pintura em tela, capoeira, balé, danças populares e urbanas, samba, teatro, violão, canto coral, teclado, percussão, habilidades de informática, novas tecnologias, audiovisuais e design gráfico.

A Iniciativa Primeiro as Pessoas tem recebido o apoio da Prefeitura de Juiz de Fora e é gerenciada pela Funalfa (Fundação Cultural Alfredo Ferreira Lage). Além disso, a Associação Municipal de Apoio Comunitário (Amac) também tem fornecido auxílio ao programa.

No momento atualmente há 727 estudantes matriculados no Dnar Rocha durante este período “baixo”, mas esse número chega a 900 matriculados no início de cada semestre.

É interessante notar que cerca de 8% dos inscritos na sede administrativa do programa possuem deficiências ou estão no espectro autista (TEA), totalizando 58 estudantes. Esse dado mostra o compromisso do programa com a inclusão desses alunos.

De acordo com Fernando Valério, coordenador geral da Iniciativa Primeiro as Pessoas, a inclusão sempre foi uma característica presente desde o início do programa. A confirmação dessa inclusão veio através da coleta de estatísticas, nas quais ficou evidente que um grande número de estudantes se identificavam como pessoas com deficiência.

Ao longo do tempo, o programa tem enfrentado desafios para garantir a inclusão desses alunos, como a passagem do trem e os workshops de percussão e capoeira que podem envolver barulho. No entanto, a equipe conseguiu adaptar essas atividades para que os alunos com TEA pudessem participar normalmente. Hoje em dia, eles frequentam as aulas de percussão e capoeira e até tocam os tambores sem restrições.

Esse compromisso com a inclusão tem levado muitos pais a procurarem a Iniciativa Primeiro as Pessoas para seus filhos. Apesar disso, ainda existem algumas limitações físicas no prédio da sede administrativa que dificultam o acesso de pessoas com deficiência às salas no segundo andar. No entanto, essas dificuldades têm sido superadas com ajuda mútua dos alunos e o prédio tem sido adaptado para receber todos.

Em resumo, através do programa Primeiro as Pessoas em Juiz de Fora, a democratização do acesso à cultura é promovida por meio da oferta de diversos cursos. Além disso, o programa tem se destacado pela sua inclusão de pessoas com deficiência e TEA, mesmo diante dos desafios enfrentados. Através dessa iniciativa, muitos jovens talentos têm sido descobertos e oportunidades têm sido proporcionadas na área cultural da cidade.

Notícia
A iniciativa Primeiro as Pessoas em Juiz de Fora é um programa que tem como objetivo principal democratizar o acesso à cultura na cidade.
O programa está sediado no Centro Cultural Dnar Rocha e opera em outras 37 localidades pela cidade.
Os cursos oferecidos pelo programa abrangem diferentes áreas, como graffiti, moda, artesanato, pintura em tela, capoeira, balé, danças populares e urbanas, samba, teatro, violão, canto coral, teclado, percussão, habilidades de informática, novas tecnologias, audiovisuais e design gráfico.
A Iniciativa Primeiro as Pessoas tem recebido o apoio da Prefeitura de Juiz de Fora e é gerenciada pela Funalfa (Fundação Cultural Alfredo Ferreira Lage).
No momento, há 727 estudantes matriculados no Dnar Rocha durante este período “baixo”, mas esse número chega a 900 matriculados no início de cada semestre.
Cerca de 8% dos inscritos na sede administrativa do programa possuem deficiências ou estão no espectro autista (TEA), totalizando 58 estudantes.
De acordo com Fernando Valério, coordenador geral da Iniciativa Primeiro as Pessoas, a inclusão sempre foi uma característica presente desde o início do programa.
A equipe conseguiu adaptar atividades como workshops de percussão e capoeira para que os alunos com TEA pudessem participar normalmente.
Apesar de algumas limitações físicas no prédio da sede administrativa, o programa tem se destacado pela sua inclusão de pessoas com deficiência e TEA.
Através do programa Primeiro as Pessoas em Juiz de Fora, a democratização do acesso à cultura é promovida por meio da oferta de diversos cursos.

Com informações do site Tribuna de Minas.

Categorizado em: