Raya e Sakina: a história macabra das irmãs que aterrorizaram o Egito com assassinatos

No início do século XX, durante a Primeira Guerra Mundial, as irmãs Raya e Sakina se envolveram em uma trama sinistra de prostituição e assassinatos na cidade egípcia de al-Labban, em Alexandria.

No Alto Egito, Raya e Sakina cresceram em extrema pobreza, criadas por uma mãe egoísta. Desde cedo, elas assumiram responsabilidades para ajudar na renda familiar. Sakina acabou se envolvendo com a prostituição devido à falta de perspectivas. Após anos nesse caminho e relacionamentos fracassados, as duas decidiram mudar para Alexandria.

Em Alexandria, as irmãs abriram um bordel chamado “The Camp”, aproveitando a demanda dos soldados britânicos durante a guerra. Porém, após o fim do conflito, o estabelecimento foi fechado e suas situações financeiras se tornaram críticas.

Na década de 1920, suspeitas sobre as atividades das irmãs surgiram quando os incensos começaram a ser percebidos de forma diferente, especialmente devido a um cheiro de decomposição incomum. Um jovem chamado Ahmad encontrou um braço humano durante trabalhos no esgoto da casa de sua tia, revelando assim o segredo das irmãs.

Uma investigação policial resultou na descoberta de vários corpos enterrados nos endereços das irmãs. Em maio de 1921, todos os envolvidos foram julgados e condenados à morte, incluindo as duas irmãs e seus maridos.

A chocante declaração de Sakina sobre ter feito “coisas que nem mesmo os homens são capazes” causou grande impacto na imaginação popular. Apesar dos crimes hediondos, Raya e Sakina se tornaram ícones da resistência em algumas representações culturais, sendo retratadas em peças teatrais, filmes, livros e programas de televisão.

A história obscura das irmãs Raya e Sakina, que aterrorizaram o Egito com assassinatos durante a Primeira Guerra Mundial, é um exemplo marcante do submundo criminal. Suas origens humildes, envolvimento com prostituição e o contraste entre ostentação e queda demonstram uma trajetória angustiante.

Embora tenham sido condenadas à morte por seus crimes hediondos, seu legado como figuras emblemáticas continua a ecoar na cultura popular até os dias atuais.

Dúvidas que podem surgir:

1. Quais foram as atividades criminosas das irmãs além da prostituição?

2. Como as suspeitas sobre elas surgiram?

3. Por que as irmãs se tornaram símbolos de resistência em algumas representações culturais?

Resumo da Notícia
Título: Raya e Sakina: A obscura história das irmãs que aterrorizaram o Egito com assassinatos
Introdução: No início do século XX, durante a Primeira Guerra Mundial, as irmãs Raya e Sakina se envolveram em uma trama sinistra de prostituição e assassinatos na cidade egípcia de al-Labban, em Alexandria.
Origem das irmãs: Raya e Sakina cresceram em um bairro extremamente pobre no Alto Egito, criadas por uma mãe egoísta. Sakina acabou se envolvendo com a prostituição devido à falta de perspectivas.
O Bordel “The Camp”: Em Alexandria, as irmãs abriram um bordel conhecido como “The Camp” para atender a demanda dos soldados britânicos durante a guerra. No entanto, o fim da guerra levou ao fechamento do estabelecimento e suas situações financeiras se tornaram críticas.
A descoberta dos crimes: Na década de 1920, suspeitas sobre as atividades das irmãs surgiram quando os incensos começaram a ser percebidos de forma diferente, especialmente devido a um cheiro de decomposição incomum. Um jovem chamado Ahmad encontrou um braço humano durante trabalhos no esgoto da casa de sua tia, revelando assim o segredo das irmãs.
Julgamento e legado: Em maio de 1921, todos os envolvidos foram julgados e condenados à morte, incluindo as duas irmãs e seus maridos. Apesar dos crimes hediondos, Raya e Sakina se tornaram ícones da resistência em algumas representações culturais, sendo retratadas em peças teatrais, filmes, livros e programas de televisão.
Conclusão: A história obscura das irmãs Raya e Sakina, que aterrorizaram o Egito com assassinatos durante a Primeira Guerra Mundial, é um exemplo marcante do submundo criminal. Suas origens humildes, envolvimento com prostituição e o contraste entre ostentação e queda demonstram uma trajetória angustiante. Embora tenham sido condenadas à morte por seus crimes hediondos, seu legado como figuras emblemáticas continua a ecoar na cultura popular até os dias atuais.
Dúvidas que podem surgir:

  1. Quais foram as atividades criminosas das irmãs além da prostituição?
  2. Como as suspeitas sobre elas surgiram?
  3. Por que as irmãs se tornaram símbolos de resistência em algumas representações culturais?

Com informações do site Raya e Sakina.

Categorizado em: